Honbu – Sede Principal
É um ensinamento de vida em que as pessoas buscam através da prática da fé, superar os desafios da vida e alcançar o Wagakokoro, um coração em paz e alegre. Enfatiza a melhoria da vida humana neste mundo pelas práticas de gratidão à Kami (Deus), de harmonia na família, de não reclamar da vida, de ouvir os ensinamentos, de ajudar aos outros e Toritsugi (aconselhamento sobre as questões da vida).
Não importa onde seja encontrado ou a forma como seja expresso o ensinamento original de Kami (Deus), que é a essência de todas as religiões. Essa essência não deve ser buscada em fontes exteriores, mas sim na verdadeira fonte interior dentro do coração. Por essa razão, não contém teoria nem especulação, uma vez que é baseada na experiência interior onde se pode reconhecer a verdade.

CONSERTAR A VIDA COM OURO

Kintsukuroi  é a arte japonesa de “consertar com ouro“ peças de cerâmica quebradas. Acreditando que quando algo sofre algum dano, vale a pena repará-lo, pois tem uma história. De fato, ao consertá-la, ela torna-se um objeto único e especial, que passa a valer mais do que antes.
Ao invés de se envergonhar de suas imperfeições, elas são embelezadas, para que sejam vistas como uma celebração a vida, nos pequenos e grandes erros cometidos e na possibilidade de aprendermos com isso. Parte do que somos é aquilo que tentamos esconder com mais determinação: as nossas falhas e defeitos.
Konkokyo em japonês significa “Ensinamento da Luz Dourada” ou numa tradução livre “Ensinamento de Ouro”. Os ensinamentos de Konko Daijin são como a maneira Kintsukuroi de pensar, ou seja, consertar, restaurar, reavivar, dar novo brilho e força as nossas vidas.

O UNIVERSO, KAMI E VOCÊ

A Konkokyo por ser de origem japonesa, usa a palavra Kami para se referir as divindades, etimologicamente tem o sentido de “divino, elevado, altíssimo”. Acredita em um só Kami (Deus), o Kami (Deus) do Céu e da Terra, mas sem negar a existência possível de outros Kami, e também a convicção de que Kami, ou a força divina, está presente no mundo e permeia tudo o que nele existe. Considera o Universo como um todo divino, referindo-se à unidade essencial de todas as coisas.
Se você pensar que é um indivíduo, que existe separado do universo e que Kami (Deus) está além do cosmos, há a ideia do sentido de separação. Essa ideia deve ir. Pois Kami (Deus) não está separado de você ou do universo; Ele está no coração de todos, e é o suporte de todos, a fonte de todos, a morada e o fim de todos. Tudo procedeu Dele, tem sua estada dele, e finalmente se resolve Nele. Portanto, Ele não está separado.

UMA RELAÇÃO RECÍPROCA

O conceito de reciprocidade está presente em várias culturas e religiões e é uma característica essencial na amizade e nos relacionamentos, ser capaz de retribuir os sentimentos e amizade em relação a outras pessoas, assim como de demonstrar essa amizade através de ações e não só de palavras.
Na Konkokyo, tudo é visto como uma relação recíproca “Aiyo Kakeyo”, entre Kami e o ser humano, um relacionamento em que um depende do outro para existir. Assim Kami, não é visto como distante de nós, residindo num céu, mas sim presente neste mundo. Dessa forma, todos podem ter um relacionamento próximo com Kami (Deus).

SOMOS FILHOS DE KAMI (DEUS)

De acordo com os ensinamentos de Konko Daijin há uma relação entre o Criador e as suas Criaturas. Não é o céu um pai e a terra uma mãe? E não são todas as criaturas vivas, animais, pássaros e árvores seus filhos?

“Este é um ensinamento sobre o Céu e a Terra. Os seres humanos existem entre o Céu e a Terra. Em outras palavras, o céu é o pai, e a terra é a mãe. Os seres humanos, as plantas e os outros seres, existem na terra graças às bênçãos que recebem do céu.”

(Gorikai I Ishihara Ginzo 1)

Assim como as plantas ao nascerem se dirigem para o sol e recebem com alegria as bênçãos do céu. Da terra viemos e para lá com certeza retornaremos. Recebemos do Céu, que representa a figura paterna, um amor amplo e às vezes rigoroso, e da Terra, que representa a figura materna, um amor que nos acolhe incondicionalmente.

TUDO PERTENCE A KAMI (DEUS)

O Céu e a Terra não pertencem ao ser humano: é o ser humano que pertence ao Céu e à Terra. Por falta de conhecimento da razão do universo, nós viemos praticando uma série de desrespeitos em relação a todas as coisas do céu e da terra, o que tem sido a causa do sofrimento da humanidade.

“Os santuários xintoístas, os templos budistas, e outros locais sagrados, bem como nossas próprias casas pertencem a Kami (Deus). Em verdade, nada pertence ao ser humano.”

(Oshirasegoto Oboecho 17:25)

O problema está na maneira como olhamos para o mundo, principalmente, na cultura ocidental. Somos educados em relação a natureza como uma adversária, com a qual se deve lutar para dominá-la e subjugá-la. Tratamos o céu e a terra como coisas que possam ser compradas e vendidas no mercado. Assim temos a natureza como algo que deve nos servir e nos causa surpresa ver outros povos que tem uma atitude de respeito com a natureza e os seres do mundo.

COMUNIDADE ESPIRITUAL

A palavra japonesa Hiromae significa estar diante, em frente ou na presença de Kami (Deus). É o lugar onde os praticantes se reúnem para ouvir os ensinamentos, receber aconselhamento, estudos e práticas, como para as celebrações e confraternizações com brincadeiras, comidas e bebidas e bom humor. Também usamos o termo Kyokai para designar uma comunidade formada com a intenção de promover a prática espiritual dos seus membros, frequentemente orientada por um Sensei ou Mentor.

“Ainda que não possa ser visto, Kami (Deus) está por toda parte e você está como a deslocar-se pelo interior Dele. Além disso, não importa se estejas a andar por um caminho ou aplicando adubo no campo, pois você está no Hiromae (Local da presença Divina) de Tenchi Kane no Kami. O mundo todo é o Hiromae de Tenchi Kane no Kami (Deus do Céu e da Terra).”

(Gorikai III Konko Kyoso Gorikai 6)

O objetivo do Hiromae é a qualidade de vida baseando-se na melhoria do bem-estar do corpo, mente, finanças, relacionamento familiar, na vida a dois e no trabalho, na relação com a natureza e também com espiritualidade, por meio de conceitos e práticas dos ensinamentos de Konko Daijin e da cultura japonesa.

AS POEIRAS ESPIRITUAIS

Acumulamos no dia-a-dia as poeiras no coração sem perceber dando origem as doenças, as dificuldades e sofrimentos.  É neste momento que devemos nos conscientizar de que estamos na direção errada pois sem dúvida as dificuldades são as providências Divinas para nos mostrar o caminho de uma vida com mais plenitude e felicidade.

“Da mesma forma que se acumula poeira na sala, no assoalho do quarto, no armário, poderá juntar-se impurezas no coração do ser humano, devido ao seu próprio egoísmo. Para não se macular a pessoa precisará praticar a fé a cada dia, com toda devoção e desejo de retirar as impurezas acumuladas em seu próprio ser.”

 (Gorikai I Yamamoto Sadajiro 56:2)

As poeiras são pequenas partículas que se acumulam sobre o nosso coração, nos dando a impressão de serem facilmente espanadas embora ao darmos as costas, voltem a se acumular logo após a limpeza. É uma metáfora para as atitudes contrárias à vontade de Kami (Deus), como irreverência, egoísmo, ambição, ódio, orgulho, etc. Os ensinamentos de Konko Daijin nos mostram o caminho para limpar as poeiras que acumulam-se em nossas vidas ou nas vidas das outras pessoas.

TABUS, PRECONCEITOS E SUPERSTIÇÕES

Os tabus são criados por convenções sociais, religiosas e culturais. E geralmente se referem à proibição a determinados seres, objetos ou lugares, considerados malditos, perigosos ou impuros, cuja violação provocaria um castigo divino, uma “Maldição”, que cairia sobre a pessoa culpada ou sobre toda uma comunidade.
A eliminação de tabus, preconceitos e superstições é um dos princípios dos ensinamentos de Konko Daijin. Tem a finalidade de direcionar os esforços humanos em prol do progresso e bem-estar da humanidade, e visa combater toda forma de discriminação por causa de raça, gênero, orientação sexual, nacionalidade, religião, situação social, etc.
O ser humano deve libertar-se dos preconceitos e superstições tradicionais do passado se deseja ser bem sucedido na busca da verdade. Quando procuramos por algo ardentemente, nós a buscamos por toda a parte. Porque a luz é boa, qualquer que seja a lâmpada em que brilhe.

NÃO TEM UMA LISTA DE MANDAMENTOS

Algumas religiões são essencialmente nada mais do que uma lista de regras, de faça e não faça, que a pessoa tem que observar para ser considerado um seguidor fiel. A Konkokyo não possui nenhum conjunto de regras que os praticantes devem seguir. Ela se baseia no relacionamento com Kami (Deus), de uma maneira pessoal e direta, com um significado único para cada pessoa.
Através do Toritsugi (Mediação Espiritual) nós podemos compreender o sentido de nossa existência, assim como adquirir liberdade pessoal, fortalecer a autodisciplina,  a aceitação da vida e ampliar os pontos de vista.

NÃO HÁ OBRIGAÇÃO DE FAZER DOAÇÃO

Doar dinheiro nas instituições religiosas tem sido uma prática cada vez mais questionada. Certamente em virtude dos abusos de lideranças religiosas de caráter duvidoso; não são poucas as pessoas que se sentem desestimuladas à contribuição financeira. Uma das características da Konkokyo é não haver a obrigação de fazer contribuições, seja, dízimos, ofertas ou qualquer outras formas de doações pelos praticantes.
As bênçãos que são recebidas não têm nenhuma relação com o quanto se oferta a Kami. Assim sendo continue a frequentar o Hiromae (Local da presença divina) para fazer seus pedidos pois de acordo com os ensinamentos de Konko Daijin, seus pedidos serão atendidos. Tendo isto mente quando fizer uma oferta, que seja com toda sinceridade, gratidão e alegria em seu coração.

O QUE ACONTECE DEPOIS DA MORTE?

Uma das inquietudes humanas, se não a maior, é a questão da finitude humana, para muitos uma certeza. Quanto a pergunta sobre o que acontece depois da morte temos apenas incertezas. Segundo os ensinamentos de Konko Daijin todos os seres voltam a existir em unidade com Kami (Deus). E não se encontrará nem céu ou muito menos inferno, porque não existe nada disso.
A perda traz sofrimento e amadurecimento. Faz pensar sobre nossos dias e o que realmente importa. A melhor maneira de se preparar para a última despedida é viver o dia presente, pleno de significado. Essa é a reflexão mais profunda que a morte nos traz.

A PRÁTICA DA FÉ NA VIDA COTIDIANA

Uma relação pessoal com Kami (Deus), não implica passar a vida inteira no alto de uma montanha na busca da verdade, mas sim que sejamos capazes de viver de uma maneira melhor no dia a dia. Konko Daijin nos ensina a mergulhar na Verdade e em Kami (Deus), na busca da felicidade, não apenas para nós mesmos. Ao fortalecer no dia a dia o nosso relacionamento com Kami (Deus), expressamos a nossa fé na vida,  e melhoramos a forma como tratamos as outras pessoas.
Nesta era de Tecnologia, é fácil negligenciar nossas necessidades reais. O sentimento de que há um vazio em nossas vidas, e que não conseguimos preenchê-lo. Esperamos que a fé possa ser como um espelho, de modo que você possa ver o seu verdadeiro eu e começar a viver uma vida de alegria e felicidade, para que sua luz brilhe cada vez mais.